quinta-feira, 21 de agosto de 2014

"Marina não representa legado de Campos", diz Siqueira

Carlos-Siqueira-size-598
O secretário-geral do PSB, Carlos Siqueira, emitiu nesta quarta-feira o sinal mais claro do tamanho das divergências que cercam a candidatura de Marina Silva à Presidência da República. Irritado com a ex-senadora e os “marineiros” da Rede Sustentabilidade, Siqueira abandonou a coordenação da campanha e não poupou críticas: “Eu nunca quis estar na coordenação dela, nunca aceitei, não continuarei na coordenação da campanha porque o meu compromisso era com o Campos. Acho que ela não representa o legado dele, está muito longe de representar o legado dele. Eles são muito diferentes politicamente, ideologicamente, em todos os sentidos”, disse Siqueira após deixar reunião do PSB em Brasília.
Ao longo de toda a quarta-feira, tensões marcaram as reuniões que antecederam a confirmação da candidatura de Marina. A ex-senadora exigiu que funções como a coordenação da campanha e a área de finanças fossem assumidas por nomes mais próximos a ela. A coordenação-geral ficou com o deputado licenciado Walter Feldman, porta-voz da Rede Sustentabilidade, e braço direito de Marina. Siqueira sentiu-se desprestigiado: “Essa mulher me maltratou”, afirmou aos presentes à reunião. Siqueira abandonou a reunião. E só voltou mais tarde, quando membros do PSB conseguiram acalmá-lo.
Hoje, ele disparou: “Quando se está numa instituição como hospedeira (sic) como ela é, tem que se respeitar a instituição, não se pode querer mandar na instituição. Ela pode mandar na Rede dela, no PSB mandamos nós”, disparou.
Após ter o pedido de registro da Rede Sustentabilidade negado pela Justiça eleitoral em outubro de 2013, Marina anunciou uma aliança com Eduardo Campos e filiou-se ao PSB. Desde então, a ex-senadora havia deixado claro que após as eleições voltaria a se empenhar na criação de seu novo partido.
Também na quarta-feira, Henrique Costa, responsável pela tesouraria, foi substituído por Bazileu Margarido, que ocupava o posto de coordenador-adjunto da campanha. Costa, que não é filiado ao PSB, foi indicado ao cargo por Eduardo Campos. Com carreira em instituições financeiras, ele cursou economia com a viúva do ex-governador de Pernambuco, Renata Campos. “Ela nomeou o presidente do comitê financeiro da campanha cuja responsabilidade da prestação de contas é do partido e não nos perguntou, não discutiu com o partido. Essa forma de proceder não está de acordo com a pessoa e com o partido que está oferecendo a ela todas as condições para ser candidata”, comentou Siqueira sobre a substituição de Costa.
Fonte: Veja.

Nenhum comentário: