segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Rosalba Ciarlini diz que está pagando o preço de “tudo de ruim” feito por seus antecessores



Feliz com as obras em andamento que podem justificar o slogan de campanha “Pra Fazer Acontecer”, encantada com  o estádio Arena das Dunas pelo potencial que um megaevento como a Copa do Mundo oferece ao turismo, mas preocupada com a possibilidade de um novo período de seca, a governadora Rosalba Ciarlini (DEM) está chegando ao fim do terceiro ano de mandato e entrando num momento decisivo para seu futuro político. Sobre eleições ela desconversa, prefere falar dos R$ 20 bilhões previstos para investimentos, dos 700 quilômetros de adutoras, do projeto do novo porto.
Se a empolgação permeia os comentários sobre os projetos que abraça, a franqueza se sobressai quando fala sobre medidas amargas que teve de tomar, mesmo sabendo do desgaste político. “É uma marca de minhas administrações. Sempre deixei as coisas ajustadas. Eu me apaixono pelas causas e as enfrento. Sei que há desgaste, tenho consciência das pesquisas, mas o mais importante é fazer.” Nesta entrevista, ela demonstra preocupação com a seca, que poderá criar um colapso no abastecimento dos municípios do sertão potiguar, onde vivem atualmente 1,5 milhão de habitantes, e diz que está pagando o preço de tudo de ruim feito no passado.
Tribuna do Norte

Nenhum comentário: