sábado, 31 de janeiro de 2015

Lagoa de Velhos/RN: Homenagem do artista Allwanderson Costa em forma de presente para a Pousada e Restaurante Casa de Reboco




Luiz Gonzaga,” O REI DO BAIÃO”

E assim chego ao fim de mais uma de minhas telas.
Um dia me falaram que no fim lembramos o começo, daí entre a difícil despedida do filho pródigo e a sensação de missão cumprida, confesso ser fácil contar como chegamos até aqui.
Lembro-me que era uma dessas tardes radiantes de domingo, estávamos na casa de Amilton, lá compartilhamos de várias coisas como os bons amigos, a aguardente, a boa prosa e a velha e companheira viola, mas diferente de qualquer outra tarde, essa nos dava a satisfação de poder dividir também da alegria de um amigo (Neguinho) ao contar sobre seu projeto e os porquês. Ouvi cada palavra atentamente e como um orgulhoso e autêntico lagoense me senti presenteado e fui logo pedindo ao mesmo que separasse um prego e um cantinho na parede para que eu pudesse retribuir.
Até então eu ainda não tinha real noção desse projeto, como sabemos, do dizer até o ser tem sempre uma diferença, às vezes para mais ou para menos e, para alegria da terrinha, nesse caso foi bem para mais. Com isso o meu retribuir agora exigia um pouco mais, já não podia ser qualquer coisa ou qualquer um. Por dias fiquei me perguntando: O que vou fazer? Fiz como referência a hospitalidade e culinária do lugar, ai lembrei-me do nosso povo nordestino, mas ainda não estava bom, eu queria o singular, um marco, algo que sozinho pudesse representar e estar à altura daquele ambiente que minha terra acabara de ganhar, pensei no conforto que ali desfrutei, então juntei conforto mais a preguiça e deu Dorival Caymmi, mas ainda não era ele. Fiquei repetindo por várias vezes o nome de batismo do lugar “CASA DE REBOCO... CASA DE REBOCO”. Daqui a pouco eu estava cantarolando uma música que dizia mais ou menos assim:
“Todo tempo quanto houver pra mim é pouco Pra dançar com meu benzinho numa sala de reboco Todo tempo quanto houver pra mim é pouco Pra dançar com meu benzinho numa sala de reboco...” Logo depois estava eu sorrindo à toa, acabava de encontrar o grande nome: LUIZ GONZAGA, O REI DO BAIÃO!
Se acertei na minha escolha ainda não sei, o que sei é que por todo esse mundão um cabra mais arretado e que faça pareia com a CASA DE REBOCO não encontrei como O REI DO BAIÃO.
O símbolo maior da música nordestina em todos os tempos e, por conseguinte, um dos grandes expoentes de nossa música popular. Ele que mostrou ao Brasil e ao Mundo como se dança e como se faz esse gênero musical genuinamente brasileiro. Idealizou a formação do trio de instrumentos, com os quais se toca o gênero: sanfona, triângulo e zabumba, para apresentações ao vivo. Incentivou e foi referência para centenas e centenas de artistas de sua geração e das gerações vindouras que passaram a compor e gravar o baião, que é gênero-referência para uma série de outros ritmos do Brasil, a exemplo do forró, xaxado, coco, marchinha junina e xote. Na década de 50, o povo "batizou" Gonzaga como Rei do Baião. E ele falou assim: “Reinado, coroa, tudo isso o baião me deu”. Estrela de ouro no meu chapéu, roupa de couro e gibão, como milagre caído do céu, me fizeram o Rei do Baião.

“Allwanderson Costa”

Nenhum comentário: