segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Previdência Social começa pagar hoje e movimenta economia do Rio Grande do Norte

8_655
O pagamento da folha de janeiro dos segurados do INSS começou nesta segunda(23). Os depósitos começam a ser liberados nessa data para quem recebe até um salário mínimo.
No Rio Grande do Norte será transferido para os 543.186 mil beneficiários, o montante de R$ 440 milhões. Destes, 275.733 são segurados urbanos, que somam R$ 256 milhões e 267.453 são rurais, que representam o pagamento de R$ 184 milhões.
A maioria dos 167 municípios do Estado sobrevive dos benefícios pagos pelo INSS, e são os aposentados e pensionistas que mantém a economia dessas cidades. O comércio vive em função da venda de seus produtos a essa clientela e em algumas cidades, os 10 dias úteis do pagamento do INSS é que garantem a circulação do dinheiro. Nas agências bancárias e nos Correios, por meio dos quais muitos recebem os pagamentos, o movimento aumenta consideravelmente.
A apresentação da folha de pagamentos mensal do INSS ilustra bem o papel que a Previdência Social tem na dinamização da economia dos municípios. Em muitos casos, o valor mensal investido pela Previdência Social no pagamento dos benefícios é superior ao repasse feito pelo Fundo de Participação dos Municípios (FPM), fato que ocorre, principalmente, em municípios pequenos.
Nos dias de pagamento – entre os cinco últimos dias úteis e os cinco primeiros do mês seguinte, são comemorados pelos comerciantes como os de melhor movimento. Os ambulantes se multiplicam, vendendo confecções, redes, sacolões, alimentos de primeira necessidade, entre outros.
Para o gerente executivo do INSS em Mossoró, Francisco Osimar da Silva, que tem 89 municípios em sua área de abrangência, “Tranquilidade – esta é a palavra que define os segurados da Previdência Social, quanto ao recebimento dos seus pagamentos, principalmente, nestes momentos difíceis da economia que o País atravessa. Eles sabem que podem contar com o seu pagamento que é feito religiosamente em dia. O fenômeno da seca que assola a nossa região, fica minimizado pelo pagamento dos benefícios da Previdência Social, que faz a verdadeira revolução social do campo, com a manutenção das famílias em suas comunidades. Realmente, apesar dos desafios que se propõe à Previdência, no sentido de ampliar a cobertura entre os trabalhadores brasileiros, é indiscutível o papel que esta desempenha na vida de cada cidadão e na economia do País”, diz Osimar.
Jornal de Hoje.

Nenhum comentário: