domingo, 21 de junho de 2015

Agnelo Alves morre no Sírio Libanês


Faleceu agora há pouco, no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, o deputado estadual, ex-senador e ex-prefeito de Natal e Parnamirim, Agnelo Alves. Durante a madrugada ele teve uma queda acentuada de pressão e piora no quadro de infecção respiratória do qual vinha se tratando há duas semanas.
As defesas baixas, devido ao tratamento de quimioterapia contra um câncer no esôfago, também contribuíram para dificultar a recuperação. O corpo do deputado deverá se transportado para Natal ainda hoje.

Quem foi Agnelo
Agnelo Alves nasceu na cidade de Ceará Mirim/RN, estudou no colégio Marista em Natal, quando foi surpreendido por problemas de saúde que lhe abstraíram a oportunidade de continuar freqüentando os bancos escolares, dedicando-se a leitura para compensar a falta da escola, Agnelo resolveu ajudar seu irmão, Aluízio Alves, no Jornal Tribuna do Norte, onde tornou-se Jornalista Profissional.
Em 1955, exerceu seu primeiro cargo público, convidado pelo Dr. Reginaldo Fernandes – Diretor do Serviço Nacional de Tuberculose, para ser seu Chefe de Gabinete, no Rio de Janeiro. Ainda na cidade maravilhosa, trabalhou em fases diferentes como Jornalista na Tribuna da Imprensa, Diário Carioca, Jornal do Brasil e Diário de Pernambuco. Do Rio de Janeiro, Agnelo voltou para Natal com o objetivo de colaborar na campanha para Governador do seu irmão Aluízio Alves. Após a eleição vitoriosa, o jornalista Agnelo Alves recebeu um convite do presidente da República, Jânio Quadros, para trabalhar na sua Assessoria de imprensa juntamente com seus amigos Carlos Castelo Branco e José Aparecido de Oliveira que foi convidado para chefiar a equipe.
Agnelo já estava de mudança, quando recebeu um telegrama do amigo Manoel de Medeiros Brito, apelando para que ele aceitasse a Chefia do Gabinete Civil do Governo do Estado como forma de pacificar uma disputa política entre os deputados Aluízio Bezerra e Grimaldi Ribeiro que pleiteavam o cargo. No Governo de Aluízio Alves, desempenhou várias funções. Como presidente da FUNDHAP, implantou o projeto da Cidade da Esperança, primeira experiência em habitação popular no Brasil.
Em 1965, Agnelo Alves aceitou ser o candidato do Governo à Prefeitura de Natal, substituindo ao seu amigo Erivam França, que, por motivos pessoais, desistiu de ser candidato. Vitorioso nas urnas enfrentou adversários que desejavam exterminar a liderança de Aluizio e da família Alves, que passou a sofrer uma onda de perseguição, culminando com a cassação dos irmãos Aluízio, depois Garibaldi e por último Agnelo (então prefeito de Natal). Cassado, preso e torturado psicologicamente pelo regime militar, respondeu a 17 inquéritos, sendo absolvido em todos. Durante este período usou todas as artimanhas para sobreviver politicamente. Assumiu a presidência do Conselho Deliberativo do ABC, usou pseudônimo para escrever na Tribuna do Norte, onde exercia funções de redator, editor etc…
Como jornalista, teve participação efetiva ao lado do irmão Aluízio Alves na campanha das “Diretas Já”, e depois na campanha de Tancredo Neves à Presidência da República. Com o retorno do Brasil ao regime democrático, foi convidado pelo Presidente José Sarney para assumir a Diretoria de Crédito Geral do BNB, assumindo, em seguida, a Presidência do Banco até maio/90, por apelo da ministra da Fazenda Zélia Cardoso de Melo.
EM 1998, Fernando Bezerra, candidato ao Senado, convidou-o para ser seu suplente. Com a posse de Fernando no Ministério da Integração Nacional, Agnelo Alves assumiu o Senado Federal.
Convocado pelos amigos de Parnamirim, aceitou ser candidato de oposição à Prefeitura daquela cidade, vencendo o pleito com uma consagradora maioria de 12.103 votos. Para espanto dos seus pares no Senado, renunciou ao mandato e assumiu a Prefeitura de Parnamirim, realizando uma administração moderna e eficaz que recebeu, em 2004, o reconhecimento do seu trabalho com uma maioria ainda mais expressiva desta vez: 33.532 votos. Repetiu o mesmo estilo de administração encerrando seu mandato com popularidade de 92% de aprovação como administrador do município, conseguindo eleger seu sucessor Maurício Marques.
A consagração recebida dos Parnamirinenses estimulou Agnelo Alves a pleitear um mandato de Deputado Estadual, onde foi eleito pelo PDT.
No campo literário, escreveu dois livros: “Crônicas de Outros Tempos e Circunstâncias”, e o segundo apresentando sua experiência administrativa:  “Parnamirim e Eu”.

Parnamirim Agora

Nenhum comentário: