sábado, 28 de junho de 2014

Abertura da Copa poderia ter sido marcada por uma tragédia aos olhos de Blatter e Dilma

A514644B9410547E9C28BDCFE6427
Da Folha - Por muito pouco o jogo de estreia da Copa do Mundo, entre Brasil e Croácia, não gerou manchetes também nas páginas policiais. Um erro de comunicação deixou por um fio a vida de um policial que circulava pela Arena Corinthians. Quando a bola já rolava, um atirador de elite, responsável pela segurança dos chefes de estado presentes ao evento, avistou um homem armado – o tal policial – próximo à tribuna de honra em que a presidenta Dilma e demais autoridades acompanhavam a partida, que terminou com vitória brasileira por 3 a 1 e muita festa. Festa que poderia ter se convertido em pânico, porque o atirador de elite, de acordo com reportagem publicada nesta sexta-feira no jornal Folha de S. Paulo, teria pedido autorização a seus superiores para abater o suspeito, que ainda não havia sido identificado como policial.
O tiro que tiraria a vida de um inocente e mancharia o Mundial do Brasil nunca saiu da pistola do atirador de elite. O episódio – que hoje vem a público – gerou, porém, uma crise entre as polícias civil e militar, que apresentaram versões diferentes para explicar a presença do agente no local. O mal entendido está sendo investigado pela Secretaria de Segurança Pública e gerou um reforço dos protocolos de segurança para os jogos seguintes. Além de Dilma Rousseff, estavam na tribuna o presidente da Fifa Joseph Blatter e o secretário das Nações Unidas, Ban Ki-moon, entre outras autoridades.
Por Marcos Dantas

Nenhum comentário: